sábado, 21 de julho de 2018

Estraca - Perspectiva


Letra

Lançam uma track, beat, boombap na back, respect
Repete, 'tou fat, meu set na net embalado em pack
Nova gera do rap, moleque compete para cheque no leque
Volta Chullage e traz o Valete!

Elite, não click, não feat, não kit na street
A transmitir aquilo que mais ninguém transmite
Palpite sentido, convite para eu ir, 'tas VIP
Rap é mais do que um bom refrão juntamente com um bom beat

Eu não herdei, lutei, tentei, ganhei
Pensei, sonhei e houve alturas que hesitei
Vacilei mas não parei, apreciei, estudei a lei
Sintonizei, meti no play o rádio velho que eu comprei

Eu estou ciente, conscientemente, loucura aparente
Espalhando a língua lusa de Itália ao Médio Oriente
Independente, diferente ou crente, com fé na vertente
Faço aquilo que ninguém fez com aquele rap que ninguém sente

[Refrão x2]
Bati no fundo, sim, calma um segundo
Ontem rimava no quarto, hoje nos palcos do mundo
E facundo, vagabundo, sim, calma um segundo
Respeito, amor e rap, coisas que nunca confundo


Vem com promessa, boa peça, não interessa, tanta pressa
Ainda tropeça, não stressa, boy, regressa
Fala, confessa, eu sou mais cabra do que a Vanessa
Tenho o meu produto à venda mas não vendo com conversa

Não sou tendência, nem sequer tenho aparência
Mas vivência, consciência, dando voz à minha essência
Excelência, experiência, dando voz à miha ausência
Sem ciência, paciência, transparência , persistência

Não sei, estás a sentir. Notei, estás a mentir
Tentei para conseguir. Ganhei a construir
A progredir e a cuspir, a evoluir sem competir
O que é meu ninguém me tira e o melhor estará para vir

Data agendada, mais uma elite ou na estrada
Sem agente, minha voz por mim mesmo agenciada
Sem fachada, a sério "broda", sem cunhas na caminhada
O teu pouco para mim é muito porque ontem não tinha nada

-REFRÃO-
Só rimas pouco originais, todos com cara de mau e com vidas ilegais
No rap a competir para ver quem vende mais
Iludindo a pitalhada para tocar em festivais

X2

Ainda sinto os arrepios, assobios e desafios
Pensamentos doentios, sombrios, levam desvios
Caguei nos elogios tardios, caguei nas views
Sem guita, sem nome, concertos vazios

Não compliques, não exites, não duvides
Fala amor ou bandidagem, ou se não faz uns bons feats
Deixa-te de palpites, não me irrites, tem limites
Trabalhar juntando guita, comprar beats, fazer clips

Vais duetar, a fazer o que eu não queria fazer
Preferia fazer rap, trabalhar sem receber
Enriquecer basta ceder, basta querer e concorrer
É rimar aquilo que bate para o teu som poder vender

Tu querias e merecias, sentias o que fazias
Mas rap com conteúdo só abrange as minorias
Ontem eram terapias, rimas e melodias
Hoje é música vazia feita para mentes vazias

-REFRÃO-
Só rimas pouco originais, todos com cara de mau e com vidas ilegais
No rap a competir para ver quem vende mais
Iludindo a pitalhada para tocar em festivais


Bandida

Ela vive de noite e perde-se de dia.

O caminho da Bandida é feito de muitas memórias, saudades, lamentos e raivas.

A Bandida, como um tigre, já não tem ilusões. Habita a crueza da realidade, crava garras nos artifícios, e rebenta todos os altares antigos. É má e orgulha-se disso.

Quando sobe ao palco para contar a sua história, a Bandidatraz uma arca cheia de contos e poemas. Traz a Canção que lhe dá o nome, traz o Lamento da Princesa Errante, traz a Cantiga da Loba da Noite, e muitas mais, com travo ao vinho e aos charutos que nunca bebeu nem fumou, mas que soube imaginar com maestria.

A Bandida não pede desculpa. Vai entrar pela vossa porta e instalar-se nos vossos corações. Agradeçam-lhe. Vai valer a pena.

Raivas, dores, doçuras e contradições numa voz que junta ao fado, e ao jazz, a garra do timbre mestiço para afirmar o ser mulher. Marta Dias e Carlos Barreto Xavier criaram doze canções em Português feitas para cantar com ternura, atrevimento e ousadia. Ah, Bandida.

Com o primeiro single “A Canção da Bandida” já a rodar na rádio e já disponível em todas as plataformas digitais (Apple Music, Spotify, iTunes, Google Play/YouTube, Amazon, Pandora, Deezer, Tidal, Napster, iHeartRadio, ClaroMusica, Saavn, MediaNet).

A partir de hoje dia 6 de Julho poderá encontrar o álbum numa loja perto de si!

As doze canções são fruto da parceria entre Marta Dias e Carlos Barreto Xavier e nasceu da composição, “Esse Meu Amor”, que integrou o “Best Of” da cantora.

Para acompanhar a voz de Marta Dias e o piano de Carlos Barreto Xavier, Bandida conta com a cumplicidade de Ruca Rebordão, nas percussões e de Yuri Daniel (baixo elétrico) cujo percurso musical é bem conhecido de todos e que acompanha Jan Garbarek em concerto.

Marta Dias, alia elementos urbanos, contemporâneos e telúricos, saberes e sabedorias, intuições bem pensadas, sensualidade em equilíbrio com contenção. YUE, é o seu álbum de estreia em 1997 de onde se destaca o single “Gritar”. Ao segundo disco encontrava-se AQUI (1999), mas já projetava pontes improváveis de “Ossobó” a “Quase Fado”. Foi com o fado que Marta Dias correu mais mundo, cedendo-lhe o timbre mestiço e o jeito jazzy que guardou da escola do Hot Club de Portugal.

Carlos Barreto Xavier nasceu em Goa, Índia. Compositor, teclista e produtor musical, tem uma vasta obra editada e desenvolve intensa atividade artística (Anjos, António Chainho, Delfins, Hands on Aproach, João da Ilha, Jorge Roque, Katia Guerreiro, Marta Dias, Radiophone, Ritual Tejo, Santos e Pecadores e Passione). Desenvolve trabalho solidário e investiga as relações entre a música e a educação no ensino básico, tal como a inclusão social pelas artes.


Bandida / Alinhamento
Marta Dias e Carlos Barreto Xavier

A canção da bandida (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Esse meu amor (Letra: Marta Dias/Música: Carlos B. Xavier)

O lugar do amor (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Lamento da princesa errante (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Não sei que seja (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Fado luz e sombra (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Cantiga da loba da noite (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Meu bem (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Talvez amar (Letra: Marta Dias/Música: Carlos B. Xavier)

À porta (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Amor é fogo que arde sem se ver (Letra: Luís Vaz de Camões/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Mais tarde (Letra: Marta Dias/Música: Marta Dias e Carlos B. Xavier)

Estraca - Trajectória


Letra

Vou-te contar a minha história notória na trajetória O porquê de eu estar aqui nos caminhos desta vitória Aleatória, safoda se é provisória Porque eu sempre usei as rimas em forma de escapatória, sim Aprendi a fugir à vida com o poder e a magia das rimas numa batida Sem saber se era sentida, por vezes nem era lida Desde puto tenho a imagem de uma mulher reprimida, Mãe Passado foi duro, nós sabemos bem que sem Toda essa beleza que a vida contém Ninguém olhava ao fracasso que eu era refém E a nossa nova esperança a cada novo mês que vem Resultado passado fechado no bairro negado Diziam que iria ser mais um bandido ou drogado Eu fui apanhado a roubar num esquema mal encenado Chamada do hospital "o seu filho foi esfaqueado" x2 Sorry mama, tu não merecias eu sei Missão de filho foi-me dada e eu assumo, falhei Mas acredita, vou buscar aquilo que eu ontem deixei Posso morrer, não conseguir, mas acredita, tentei Eu tentei, mas nada fiz para a nossa vida mudar Despensa cheia, sim comida vem do Banco Alimentar Eu vivo com essa dor, a fraqueza no teu olhar Limpeza 400 euros, 15 horas a trabalhar Mama, ontem na lama miséria na vida o drama Tudo me sobe à cabeça quando me deito na cama Por grana guardava a grama Por guita, a rua me chama E eu puto, ligado ao tráfico Quase que vi a cana, sim Naquela fria madrugada A bófia abriu-me a janela, pois já sabia a jogada Estava estudada, pensada O andar, a hora e morada marcada Mas naquele dia já não lá tava nada Fezada? Foi sorte a minha sim Mas algo se avizinha Pois a guita sabe bem mas tou a pisar a linha Eu com 15, mais um puto que a rua desencaminha 16, comprava os ténis mais caros que a loja tinha Dias iguais incombatíveis com os meus ideais Onde é que vais, pois o rap já não dá para mais Trabalhos na padaria, vender bifanas no Cais Passa um ano e aqui estou, nas promessas nacionais "Deixa o rap" já dizia a professora de Inglês E hoje faço em minutos o que ela ganha num mês Não há duas sem três, tu vês o que a vida fez Hoje a dica é fazer história no hip-hop português

Fingertips apresentam o single Love is the weapon



O novo single "Love is the Weapon" é um manifesto à tolerância e liberdade. 
O amor é a arma que nos liga.


Fingertips - Love Is the Weapon


Letra

ou should give it a try Memories still linger on the mind You better listen Since you’re not so sure I’m gonna take my time and prove you wrong Let’s make this clear The sunrise blinds our expectations Wicked situations tearing us apart We gotta tell the world Bring it all down Love’s the only weapon we should know We gotta tell the world tomorrow We will bring it all down Love’s the only weapon we should know Will we ever know why This broken kingdom dares to fall apart With all the hatred I’m not so sure I believe in us creating a new door or are we fated Sunrise Expectations Situations Tearing us apart Music: Rui Saraiva/H. Matos Lyrics: Zé Bicho

Setúbal - Feira de Santiago 2018


Feira de Santiago 2018

PROGRAMAÇÃO AO VIVO

PALCO SETÚBAL




21 DE JULHO . SÁBADO
22h00: ESPETÁCULO DE INAUGURAÇÃO “HIGH SPIRIT SWING”
22h30: GRANDE FILARMÓNICA SETÚBAL

22 DE JULHO . DOMINGO
22h00: MATIAS DAMÁSIO

23 DE JULHO . SEGUNDA-FEIRA
22h00: BONGA

24 DE JULHO . TERÇA-FEIRA
22h00: VENCEDORES DO 10º CONCURSO DE FADO DE SETÚBAL
1º Classificado – Catarina Ferreira
Prémio do Público – Sara Coito
Melhor Fadista do Concelho – Carolina Mendes
23h00: RICARDO RIBEIRO


25 DE JULHO . QUARTA-FEIRA
22h00: RICHIE CAMPBELL

26 DE JULHO . QUINTA-FEIRA
22h00: PELTZER
23h00: MÃO MORTA

27 DE JULHO . SEXTA-FEIRA
22h00: BELA GIZELA
23h00: MARTA REN

28 DE JULHO . SÁBADO
22h00: ALDO LIMA
23H00: CORDEL DO FOGO ENCANTADO

29 DE JULHO . DOMINGO
22h00: UNIÃO DAS TRIBOS
23h00: T4X1 (Ex-TAXI)

30 DE JULHO . SEGUNDA-FEIRA
22h00: EMANUEL


31 DE JULHO . TERÇA-FEIRA
22h00: GISELA JOÃO

1 DE AGOSTO . QUARTA-FEIRA
22h00: CLARABOIA
23h00: D.A.M.A

2 DE AGOSTO . QUINTA-FEIRA
22h00: FERNANDO DANIEL

3 DE AGOSTO, SEXTA-FEIRA
22h00: FONZIE

4 DE AGOSTO . SÁBADO
21h30: BEATCREW / HIP HOP
22h00: JK
23h00: VALAS

5 DE AGOSTO . DOMINGO
22h00: THE GIFT

sexta-feira, 20 de julho de 2018

BONS SONS CONVIDA A VIVER A ALDEIA EM FAMÍLIA


BONS SONS CONVIDA A VIVER A ALDEIA EM FAMÍLIA

atividades para famílias e crianças

De 9 a 12 de agosto, o BONS SONS está de volta a Cem Soldos, em Tomar, com mais de 45 concertos, em oito palcos distribuídos por vários locais da aldeia, e nomes como Linda Martini, Dead Combo, Slow J, PAUS, Sara Tavares, Salvador Sobral, Lena d'Água e Primeira Dama, entre muitos outros. Mas não só. O festival convida o público a viver a aldeia em família e, para isso, além dos concertos e das atividades paralelas, o BONS SONS apresenta um conjunto de atividades para os festivaleiros de palmo e meio e é sempre bom referir que crianças até aos 11 anos têm entrada gratuita no recinto.

No BONS SONS, as manhãs são dedicadas aos mais novos e às suas famílias, com uma programação específica, em parceria com as escolas de música do concelho, Canto Firme e Gualdim Pais. Em duas sessões diárias, uma às 10:00 e outra às 11:00, o Armazém recebe as crianças, acompanhadas dos pais, para darem os primeiros passos na procura de bons sons.

Também os Jogos do Hélder regressam, este ano, com mais jogos e um circuito refrescante pelas ruas da aldeia. Feitos de materiais tão simples como madeira ou corda, estes jogos de inspiração medieval utilizam apenas a energia mais acessível do mundo: a humana.

Já o Burro Mirandês é a estrela principal do Curral e estará disponível para passeios, a diferentes ritmos, adequados aos mais novos e aos mais velhos. Nas “aulas do burro” é possível interagir com estes simpáticos animais de raça protegida e ficar a saber mais sobre as suas características, hábitos, e a sua forma de pensar e agir.

Por tradição, a aldeia está ligada a histórias e os monstros há muito que povoam os medos populares. O que seria dos monstros (e dos medos) se um dia ficassem sem lugares onde assombrar? É o mote para quatro peças de teatro para assistir em família. Da tradição portuguesa para as ruas das povoações, as criaturas que assombraram os nossos avós encontram agora problemas que nunca imaginaram enfrentar: um mundo poluído tão inóspito que nem os monstros é capaz de acolher. Esta atividade estende-se numa oficina de expressão plástica sobre a temática das Criaturas do Bestiário Tradicional Português.

Por sua vez, o Festival de Bandas Imaginárias vai programar um Palco pra Bandas Imaginárias no BONS SONS um conjunto de textos e ilustrações, da autoria de Johnny Almeida e Cat Serafim, respetivamente, que estarão em exposição durante o festival. Estes materiais servem também de base para duas oficinas: uma de escrita e outra de ilustração em que o objetivo é trabalhar com os participantes para que estes possam, através de dinâmicas descontraídas, construir as suas próprias bandas imaginárias.

Todas as atividades requerem inscrição obrigatória e têm um número limitado de participantes.

À semelhança dos anos anteriores, o Espaço Criança é um serviço de apoio à família e conta com algumas atividades diárias com jogos, trabalhos manuais, brincadeiras, ginástica, entre outros. Este local tem também disponível uma zona de fraldário, um serviço de babysittig e de aluguer de auriculares infantis.

Durante os quatro dias do BONS SONS, as ruas do centro de Cem Soldos dão lugar à Feira de Marroquinarias com artigos de artesãos e alfarrabistas nacionais e produtos para todos os gostos.

Igualmente a pensar nas famílias, alguns espaços do recinto foram reforçados e surgem com uma nova cara. A zona da restauração, por exemplo, regressa aumentada para atender às exigências de toda a família, com mais diversidade e espaços mais amplos. Também a área do campismo foi reforçada e oferece alternativas ao campismo tradicional, com tendas já montadas no recinto disponíveis em vários tamanhos, conforme o número de pessoas.

9—12 AGOSTO

BURROS DE MIRANDA
CURRAL
11:00–20:00

O Burro de Miranda teve, durante muito tempo, um enorme valor e utilidade como animal de apoio aos trabalhos agrícolas. Atualmente, devido aos avanços da tecnologia e ao êxodo rural, é importante encontrar outras formas de garantir a conservação deste simpático animal. No BONS SONS, o Burro Mirandês vai estar disponível para passeios, em diferentes ritmos, para crianças e adultos, promovendo o contacto com a espécie. Além disso, a Aula do Burro vai dar a conhecer as características e hábitos da raça, bem como promover os valores culturais e naturais do Planalto Mirandês.

JOGOS DO HÉLDER
LARGO DO ROSSIO E RUAS DA ALDEIA
11:00–20:00

Este ano, os Jogos do Hélder regressam com mais jogos e um circuito refrescante, com água, pela aldeia. Feitos de materiais tão simples como madeira ou corda, os Jogos do Hélder usam apenas a energia mais acessível do mundo: a humana. Os jogos, muitos de inspiração medieval, são construídos pelo próprio Hélder, e famosos por terem a notável capacidade de divertir o público de todas as idades.


PALCO PRA BANDAS IMAGINÁRIAS
SEDE DO SCOCS
11:00–20:00

O Festival de Bandas Imaginárias é um conjunto de textos e ilustrações sobre música que queremos expor. É como se juntássemos as nossas influências musicais numa centrifugadora e de lá saíssem estas bandas imaginárias, cada uma com características muito próprias, algo excêntricas e incomuns.


MÚSICA PARA CRIANÇAS
ARMAZÉM
10:00, 11:00

Lotação: 15 crianças (dos 0 aos 6 anos)

As manhãs do BONS SONS são dedicadas aos mais novos e às suas famílias, com programação específica, em parceria com as escolas de música do concelho. Disponível em duas sessões, uma às 10:00 e outra às 11:00, o Armazém recebe as crianças até aos 6 anos acompanhadas dos pais para darem os primeiros passos na procura de bons sons.

BESTIÁRIO À SOLTA
QUINTAL DO POÇO
11:00, 15:00, 18:00, 21:00

Lotação: 20 participantes

“Não haverá nunca distância suficiente entre nós e os monstros que nos habitam.” Os monstros povoam os nossos medos e habitam os espaços onde tradicionalmente os pavores se escondem. O que seria dos monstros (e dos medos) se um dia ficassem sem lugares onde assombrar? Se a Maria Gancha tivesse de fugir do seu poço envenenado, se as Moiras Encantadas vissem incendiados os seus montes sem que os seus encantamentos fossem quebrados, se o habitat dos Tardos e Lobisomens estivesse tão poluído que não pudessem correr o seu fado por essas madrugadas fora? Do Bestiário Tradicional Português para as ruas das nossas povoações, as criaturas que assombraram os nossos avós encontram agora problemas que nunca imaginaram enfrentar: um mundo poluído tão inóspito que nem os monstros é capaz de acolher. 4 peças, 4 intérpretes, todos os monstros da nossa tradição.


OFICINA CRIATURAS DO BESTIÁRIO PORTUGUÊS
ARMAZÉM
16:00

Lotação: 15 crianças (dos 7 aos 12 anos, crianças com idades inferiores apenas acompanhadas por adultos)

Oficina de expressão plástica sobre a temática das Criaturas do Bestiário Tradicional Português. Para que serviam estas criaturas? Que medos ou perigos estão associados a elas?


OFICINAS PALCO PRA BANDAS IMAGINÁRIAS
SEDE DO SCOCS
14:00, 18:00

Lotação: 10 participantes

Os textos e as ilustrações do Festival de Bandas Imaginárias, da autoria de Johnny Almeida e Cat Serafim respetivamente, servem de base para duas oficinas: uma de escrita (Como criar bandas imaginárias?, às 14:00) e outra de ilustração (Como ilustrar bandas Imaginárias?, às 18:00) em que o objetivo é trabalhar com os festivaleiros para que eles possam, através de dinâmicas descontraídas, construir as suas próprias bandas imaginárias.



FEIRA DE MARROQUINARIAS
CEM SOLDOS
11:00–22:00

A Feira de Marroquinarias e Artesanato espalha-se pelas ruas do centro de Cem Soldos, mostrando artigos de vários artesãos e alfarrabistas nacionais. Consegue-se assim contaminar e colorir a aldeia com objectos tradicionais e diversos trabalhos de Novo Artesanato.


Piruka - Prova dos 9


Letra

Querias a prova dos nove Tirei-te a prova de quatro Tu deixa ir lá fora Chove, ficamos pelo meu quarto Eu e tu, tu e eu Isso eu não me farto Mete a cabeça para cima que eu sinto o teu cheiro Eu e tu, tu e eu Dentro do buraco Vais ver um lado meu um pouco mais rafeiro Quero-te fora do salto Tira-me essa roupa Falas que eu sou louco e eu sei que adoras Dizes "Puxa-me os cabelos e cospe-me a boca Hoje é tudo meu, não quero saber das horas" Mas são um quarto para as seis Lá vem a tal dica de um quarto para os dois Se dou-te o toque, tu vens Se é para ir, eu vou agora, não quero saber do depois Nós e os nossos serões, é Vejo a tinta do teu corpo mesmo estando tudo escuro E ambos temos razões Para moldarmos o passado e pensarmos no futuro O teu mundo, uma volta Juntos damos a volta ao mundo Vou ao fundo do teu corpo É nele que eu me afundo Vais ao fundo do meu corpo É nele que mergulhas Somos a bela e o vagabundo E debaixo do lençol é contigo que eu me escondo É contigo que eu me fundo Fazemos magia Nós é tronco com tronco É corpo com corpo Ambos ficamos loucos, é loucura em sintonia Eu agarro no pescoço, a tua pele arrepia Entras no meu jogo E a regra é não há "não's" Vês-te a revirar os olhos, a contorcer o corpo Entrelaçar as mãos [Refrão] Porque contigo tudo é fantasia Dizes que eu sou tudo aquilo que querias E quando m'olhas nos olhos Eu sou teu reflexo Dou a volta ao mundo só por mais um dia Faz-me sentir aquilo que eu sentia Porque quando eu te vejo Eu só penso em sexo Porque contigo tudo é fantasia Dizes que eu sou tudo aquilo que querias E quando m'olhas nos olhos Eu sou teu reflexo Dou a volta ao mundo só por mais um dia Faz-me sentir aquilo que eu sentia Porque quando eu te vejo Eu só penso em sexo [Bridge] Boneca, eu fico sossegado num canto Enquanto canto para ti Eu vejo luz (hey) Bandida, tu és um pecado para mim É o tal pecado de ti Que me seduz Boneca, eu fico sossegado num canto Enquanto canto para ti Eu vejo luz (hey) Bandida, tu és um pecado para mim É o tal pecado de ti Que me seduz [Refrão] Porque contigo tudo é fantasia Dizes que eu sou tudo aquilo que querias E quando m'olhas nos olhos Eu sou teu reflexo Dou a volta ao mundo só por mais um dia Faz-me sentir aquilo que eu sentia Porque quando eu te vejo Eu só penso em sexo Porque contigo tudo é fantasia Dizes que eu sou tudo aquilo que querias E quando m'olhas nos olhos Eu sou teu reflexo Dou a volta ao mundo só por mais um dia Faz-me sentir aquilo que eu sentia Porque quando eu te vejo Eu só penso em sexo

Música e Letra: Piruka Produção: Khapo

28º TOM DE FESTA

SEJAM BEM VINDOS AO 28º TOM DE FESTA.

Com o movimento Tropicália no centro da programação, o 28º Tom de Festa está a começar. 


Hoje, às 21:00, Sérgio Mota sobe ao Palco Jardim com as suas canções que cruzam a origem mineira do músico com as sonoridades da música africana. Uma das cantoras que está a mudar o panorama da música brasileira, Maíra Baldaia, abre a noite no Auditório ao Ar Livre (22:00), seguida por Wado (23:30), que vem estrear em Tondela o seu mais recente disco, Precariado. No palco do Pátio, pelas 00:30, teremos a mistura sonora da Swingueira, cruzando o forró, a MPB, o samba e o reggae. E a fechar a noite, no Pátio, o DJ Gyl dará música aos mais afoitos da pista de dança.

No sábado, a noite começa no Palco Jardim, às 21:00, com a Roda de Choro de Lisboa, que volta a actuar às 23:00. No Auditório ao Ar Livre, às 22:00, Octávio Cardozzo chega de Minas Gerais com um repertório que cruza a tradição da MPB e a vontade de inovar linguagens musicais. Segue-se, às 23:30, a actuação de CYZ, cantora e compositora de Olinda que trará a Tondela uma “mistura fina” onde se encontram o forró, o maracatú, o carimbó e o que mais couber no seu som eletrizante. A festa muda-se depois para o Pátio para escutar o mineiro Guilherme Ventura (00:30) com as canções do seu primeiro álbum, Dois Lados. A fechar a noite e o Tom de Festa, Franklin Soares Monteiro, de Angra dos Reis, ocupa o Pátio a partir das 01:30 com O Gringo Sou Eu.

Quem já esteve no Tom de Festa, terá visto Drika Prates entre tintas e pincéis, trabalhando numa composição visual na parede junto ao Auditório ao Ar Livre. A artista visual brasileira é uma das convidadas deste festival, para o qual está a criar um mural dedicado ao movimento Tropicália, cujos 50 anos celebramos. O mural está a ser criado ao longo destes dias e estará concluído amanhã, no final da noite, permanecendo depois na ACERT como marca forte desta 28ª edição do Tom de Festa. 

A programação musical começa às 21:00, mas as portas do Tom de Festa abrem às 19:00. Como sempre, haverá boa comida, bebida e espaços de convívio. E porque o Brasil está no centro da programação deste ano, haverá comida brasileira de várias geografias desse imenso país e não faltarão as caipirinhas e o chope gelado.

D'Alva - Amor missão feat. Sir Scratch


Letra

Não encontrei a letra ou os créditos desta música

Festival Sons na Areia: O Verão tem Outro Sabor na Praia da Areia Branca (Lourinhã)



A Praia da Areia Branca, no concelho da Lourinhã, recebe a 1.ª edição do Sons na Areia. Com data marcada para os dias 3 e 4 de agosto, promete uma simbiose perfeita entre música, sol e praia, mesmo no coração da zona oeste. Surge, assim, um cartaz com nomes estabelecidos no panorama musical nacional como Peste & Sida, Anarchicks, Projecto Bug, Manuel Fúria e os Náufragos.

Um programa que visa cativar a atenção do público do concelho da Lourinhã e, também, dos concelhos vizinhos. A ideia é criar uma nova dinâmica, dando ainda mais cor, alegria e boas vibrações à Praia da Areia Branca durante duas noites,  num território único e com vista privilegiada para o Atlântico.

ONDE?

Praia da Areia Branca  Foz


Em plena zona turística, e a dois passos da praia, será erguido um recinto aberto composto por um relvado com capacidade para 500 espectadores, um palco enquadrado com a colina e voltado ao mar, um vasto passeio marginal em calçada - com capacidade para mais de 1000 de visitantes - e o apoio de três estabelecimentos locais de restauração e bebidas.



QUEM?
03 AGOSTO | PESTE & SIDA + ANARCHICKS
04 AGOSTO | PROJECTO BUG + MANUEL FÚRIA E OS NÁUFRAGOS

PESTE & SIDA


Os Peste & Sida foram uma das históricas bandas dos anos 80 da música portuguesa. Formados em 1986, os Peste & Sida são uma das grandes referências da música Rock feita em Portugal na década de 80. O som do grupo começa a ultrapassar as fronteiras do Punk e alarga-se a outros géneros como o reggae, o rock e o rap. Esta evolução nota-se no segundo disco “Portem-se Bem”, um LP que tem no tema “Sol da Caparica”, uma versão de um tema americano dos anos 60, o seu maior sucesso. Outros temas são “Chuta Cavalo…E Morrerás”, a versão do tema popular alentejano “Vamos Lá Saindo” e “Paulinha”.
Os Peste & Sida são rock, e os seus temas são intemporais.

ANARCHICKS

Rita Sedas, Synthetique, Katari e Ana Moreira são 4 vozes dissidentes a espalhar inquietude. Juntas formam as ANARCHICKS, banda de Lisboa que toca uma sonoridade influenciada pelo punk rock.
Os concertos de Anarchicks são um shot único de energia e rock n roll!
Se a música é uma arma, elas são o gatilho!!

PROJECTO BUG

De um devaneio de amigos com ânsias de diferentes ambientes sonoros, em meados de 2009 surgiu a espontânea rotina dos ensaios nas noites de quinta-feira. Em todas elas, sem excepção. E como a quem vem por bem a mais não é obrigado, o grupo foi crescendo sem que ninguém fosse posto de lado.

Não estamos perante uma banda ou um qualquer grupo musical de bons ou maus rapazes.

O Projecto Bug é muito mais do que isso. É um ponto de encontro, um espectáculo de variedades, uma fonte de humor, um poço de alegria, um sentimento de partilha e, sobretudo, uma gargalhada de (a)braços.


MANUEL FÚRIA E OS NÁUGRAGOS

Manuel Fúria, artista português, um quase cantor, do mesmo modo que poderíamos qualificar o Padre António Vieira como um quase escritor.

Começa a sua actividade pública como cabeça d’Os Golpes. Dessa fase destacam-se canções como A Marcha dos Golpes ou Vá Lá Senhora que incluiu dueto com Rui Pregal da Cunha dos Heróis do Mar.

Inventor por vocação, ladrão por imperativo moral, purista do impuro, patriota do impossível, ou nas generosas palavras de Nuno Miguel Guedes, um subversivo (…) para ele, tudo se poderia resumir num único vocábulo indizível que tem urgência de partilhar. E essa urgência é a razão de ser da sua arte e da extrema de fazer.

Esperamos por ti na Praia da Areia Branca.

Sente o verão com o Sons na Areia!


D'Alva - Verdade sem Consequência


Letra

VERDADE SEM CONSEQUÊNCIA: Não há verdade sem consequência Mas há uma diferença entre não saber, e não querer saber É minha a ignorância, Mas é tua a indiferença que te impede de ver Não sentes que há algo de errado (oh não) Quando tudo bate certo, e sentes a verdade perto Mas nada corre como esperas? Não à guerra não declarada! Não! Não! Não! Se a verdade é dissonante Não é preciso gritar Se no final não muda nada Enquanto ergo muralhas p’ra me defender Tu perdes-te em murais ou em quem pensas ser Perdoa a minha transparência Mas o que digo é sem ofensa Mas já não há paciência P’ra quem vê a redundância e se deixa ater Não há verdade sem consequência Mas certamente há uma diferença Entre não saber e não querer E perdes-te em morais ou em quem pensas ser.

Letra e Música: D’Alva (Alex D’Alva Teixeira, Ben Monteiro)

The Ramblers lançam «Corcel Kennedy»


Novo disco! 

The Ramblers lançam «Corcel Kennedy»


O 4º trabalho de estúdio dos gipsy-bluers lisboetas é uma edição de autor e já está disponível em todas as plataformas online. A distribuição digital fica a cargo da plataforma espanhola EMU Bands, fruto da sua presença como única banda portuguesa no Top 3 final do concurso ibérico do Festival SubeRock 2018 em Espanha.

A banda, que conta já com 11 anos de estrada, comprometeu-se a gravar "Corcel Kennedy" durante a mini-tour ibérica que está agora a decorrer, e assim fez: live, sem filtros, overdubs ou edições, numa tarde nos estúdios da Lemon Drops Media - o resultado são 4 novos temas originais e a cover do clássico "Born Under A Bad Sign" de Albert King que tem acompanhado a banda ao vivo desde sempre.

Estraca - Amigo Falso



Letra

Não encontrei a letra ou os créditos desta música

quinta-feira, 19 de julho de 2018

Boss AC - Novo EP “Patrão” editado em vinil


Boss AC
Novo EP “Patrão” editado em vinil esta sexta-feira

Este lançamento será apresentado sexta-feira na Fnac Chiado, às 18h30, numa entrevista aberta com Rui Miguel Abreu

Esta sexta-feira chega às lojas a edição em vinil do novo EP de Boss AC, intitulado “Patrão”. O disco incluirá não só as músicas do alinhamento original, bem como os seus instrumentais. Esta edição em vinil de “Patrão” contará com uma apresentação especial na Fnac Chiado, em Lisboa, na sexta-feira, às 18h30, durante a qual Boss AC será entrevistado pelo jornalista Rui Miguel Abreu.

Do EP “Patrão” faz parte o single “Queque Foi”, um fenómeno nas plataformas digitais, contando o vídeo oficial com mais de 1,3 milhões de visualizações no YouTube/VEVO. O EP já atingiu o 1.º lugar do top digital de álbuns e conta com participações dos Black Company e de DJ Ride, no tema “O Verdadeiro”.

Este EP de Boss AC aponta luzes para o novo álbum, que será lançado posteriormente. O álbum que o rapper está a preparar segue um conceito, ligado às ideias de “ontem, hoje e amanhã”. “Ontem” porque tem-se inspirado no seu primeiro álbum, “Manda Chuva”, e quer homenagear as origens do hip hop e todos aqueles que o inspiraram a ser MC. “Hoje” porque continua a fazer uma música atual e bastante relevante nos nossos dias, sem perder a sua essência. “Amanhã” porque Boss AC tem sempre “os olhos postos no futuro”: “Sempre acreditando que os meus maiores sucessos e realização estão ainda por vir”.