sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Os Azeitonas - Pessoas



Letra

A vida não vai nada bem
Para a miuda do cabelo azul
O que é que a levou a pintar
O cabelo assim de azul?

Será que são questões de pai?
Ela a dizer “olha, pai”
E ele de olhos no jornal
A dizer “filha já vai”

E ela de cabelo azul
E ela de cabelo azul

O dia correu de feição
Para o cavalheiro ali atrás
Com cara de que tanto faz
Quem é que ganha as eleiçoes

Tanto lhe dá se a nação
Cai nas mãos dos espanhóis
É como se dois e dois
Não fosse sequer questão

Pro cavalheiro ali atrás 
Pro cavalheiro ali atras

As pessoas são todas iguais
E acham mesmo que as demais
Conspiram com outras que tais
Em vidas boas

Duradouros pactos ancestrais 
De pessoas pedras e animais
Tirando a dessa pessoa
A vida é boa,
A vida é boa

E as pessoas são todas iguais 

O homem do olhar obtuso
Põe as culpas na mulher
No governo, no país
Na tatuagem de ex-recluso

Sente ofensa pessoal
Pela indiferença boçal
Do cavalheiro ali atrás
E dava-lhe o tanto faz

Ao indigente ali atrás
Ao indigente ali atrás

Aquela senhora de idade
Agarra com as duas mãos
A bolsa de napa marrom
murmura um lamento sem som

Será que na bolsa marrom
Leva fotos tipo passe
Como se o tempo congelasse
No tempo em que o tempo era bom

A senhora duma certa idade
A senhora duma certa idade

As pessoas são todas iguais
E acham que as outras pessoas
Conspiram com outras que tais
Em vidas boas

Com sorrisos e sonhos boçais
Interagem com os demais 
Tirando a dessa pessoa, 
A vida é boa
A vida é boa

As pessoas são todas iguais

Freddy Locks estreia-se hoje em França e celebra a elevação do Reggae a Património Imaterial Cultural da Humanidade




Que belo presente recebemos hoje! No mesmo dia, 29 de Novembro, em que Freddy Locks - músico e autor de reggae nacional - se estreia em palcos estrangeiros com um concerto em França (Le Serpent Volant, cidade de Tours) é também conhecida a notícia de que o Reggae é finalmente distinguido pela UNESCO como Património Imaterial Cultural da Humanidade, à semelhança do Fado e do Cante Alentejano, do Flamenco ou do Tango. Género nascido na Jamaica mas absolutamente universal, o Reggae vive hoje mais um marco da sua riquíssima História:

"É uma notícia muito importante para o mundo. Para quem faz reggae e para quem sente o reggae. Logo hoje que faço a minha estreia fora de Portugal... dá muita força para fazer mais e melhor reggae para iluminar o nosso caminho. One Love!" - Freddy Locks

"Overstand" é o novo álbum de Freddy Locks, do qual recuperamos - e bem a propósito - o single/vídeo "Present".

GM (Zona 5) - 100 Magoas (Feat. Dji Tafinha)



Letra

Teu toque em mim
Não faz sentido 
Tentei adiar o fim 
Mas não consigo

Nós já fomos tatuagem 
Num curta metragem 
E hoje é só miragem
Decepção na bagagem 

Fomos Bonnie e Clyde
Eu Fredy e Tu Yola 
Mas hoje és como telefone fixo
Que não manda mensagem

Sabem que ainda tentas ocultar a nossa história 
Sabem que apagaste as fotos 
Será que apagaste as memórias? 
Hã e ainda agora esqueceste das vitórias 
Hã então podes bazar sem cerimônias

100 mágoas
Eu fiz tudo por ti e por nós os dois 
Mas contigo eu aprendi que amor não é pra todos


100 mágoas 
Eu fiz tudo por ti e por nós os dois 
Mas contigo eu aprendi que podes bazar 

Teu toque em mim
Não faz sentido 
Tentei adiar o fim 
Mas não consigo

Um pedaço de mim
Ficou contigo 
100 mágoas,  100 mágoas 

Hã qual foi o love que até hoje eu não dei
Yeah vá lá me explica porque eu não sei 

Hã perdoei - te e amar não esqueci
Porquê que no lugar do tafinha vi outro dji 

Eras o meu paraíso 
Mas hoje és o meu inferno
Meteste - me na merda 
Baby não vejo outro termo 

Se fosse o Anselmo diria tá difícil 
Mas como eu sou outro nigga 
Digo pra me é impossível hã

Já não faz sentido
 Eu já não sinto teu toque em mim
 Chegou ao fim baby não vamos fingir 
Melhor assim,  longe de ti 

Já não faz sentido 
Eu já não sinto teu toque em mim
Chegou ao fim baby não vamos fingir 
Melhor assim,  longe de ti

Teu toque em mim
Não faz sentido 
Tentei adiar o fim 
Mas não consigo

Um pedaço de mim
Ficou contigo 
100 mágoas,  100 mágoas 100 mágoas

 Tá tá tá  ta bater 
Tá tá tá  ta bater
Um pedaçode mim 
Ficou contigo
 Ficou contigo 
Ficou contigo

quinta-feira, 29 de novembro de 2018

FOSTE TU - Miguel Gizzas


Letra

Não encontrei a letra ou os créditos desta música

Miguel Gizzas apresenta o primeiro romance musical em concerto : A história projectada no palco e na tela



Uma experiência vivida em vários canais.


Assim como a banda sonora de um filme nos transporta para o sentimento que a história pretende narrar; assim como num musical a história é colorida pela música; nos seus Romances Musicais Miguel Gizzas pretende colorir os sentimentos que transmite não apenas com a escrita, mas também com as músicas que acompanham cada capítulo.

Escrito, composto e interpretado pelo mesmo autor.

Leia a história e ouça a música no próprio livro.


O ROMANCE MUSICAL

Depois de 14 anos como músico profissional, Miguel Gizzas explorou uma antiga paixão, a literatura. Desse amor nasceu uma obra única, “Até que o mar acalme”, o primeiro romance musical do mundo.
Dois anos depois, um novo romance musical dá sequência à obra diferenciadora do artista. “O dia em que o mar voltou” conta a história da destruição de Lisboa, à mercê de um terremoto e maremoto de proporções gigantescas.

Uma história de amor, da transformação dos homens em heróis quando o momento os chama.

Miguel Gizzas apresenta o primeiro romance musical em concerto : A história projectada no palco e na tela.

Vai iniciar no próximo ano uma digressão pelo país neste novo formato de espectáculo, que conta com a participação de vozes de luxo entre elas: Ricardo Carriço, João Didlet, Sofia Nicholson e Luis Filipe Borges entre muitos outros.


SINOPSE do livro que serve de base ao cine-concerto:

Sexta-feira, 13 de dezembro de 2024. Lisboa é de novo sacudida por um intenso abalo sísmico, seguido de um maremoto. Este livro é o relato da destruição brutal da cidade, e mostra como Lisboa continua a ser presa fácil de uma ameaça sempre presente. Uma história de devastação, sofrimento e choque. Uma história de homens como nós, com sentimentos e ambições, tornados gigantes ou anões pela força das circunstâncias.


SINOPSE: O CINE-CONCERTO

“Se o romance musical junta duas artes que desde sempre deviam estar juntas, também num concerto ao vivo se deve contar a história.” Miguel Gizzas.

Um espetáculo único: em “O dia em que o mar voltou” a história do romance homónimo é contada em cinema de animação, intercalado pelos temas musicais do livro, cantados ao vivo.

E assim se juntam três artes - literatura, cinema e música – numa experiência que não irá esquecer.

Digressão 2019 


15 Jan -Teatro José Lúcio da Silva (Leiria)
01 Fev -Teatro Armando Cortês (Lisboa)
16 Fev -Teatro Cine (Gouveia)
07 Mar -Teatro Garcia de Rezende (Évora)
30 Mar - Local por confirmar (Lousã)
06 Abr - Cine-Teatro Avenida (Castelo Branco)
10 Mai - Auditório Municipal (Albufeira)
11 Mai Por confirmar
18 Mai Por confirmar
25 Mai - Fórum (Maia)
08 Jun - Centro de Artes do Espetáculo (Portalegre)
15 Jun - Teatro Municipal (Guarda)
19 Out - Centro Cultural (Tábua)
09 Nov - Casa das Artes (Felgueiras)

Os concertos têm inicio às 21h30
Outras datas a anunciar brevemente.


Diana Lima - Se Tudo Mudar


Letra

Se me visses mudavas de direção
mudavas de direção
mudavas de direção

Se me visses serias honesto ou não
e dizias me que não
e dizias me que não

Posso até gritar
Posso até mostrar
Que és tudo o que eu vejo
Tudo o que eu mais quero
(2x)

Tudo o que eu mais quero (3x)

Por momentos só quero a tua atenção
Que não me digas que não
Não aceito o teu não
Quero dizer o que me vai no coração
Tu não tens bem a noção
Sem ti tiras-me o chão

Posso até gritar
Posso até mostrar
Que és tudo o que eu vejo
Tudo o que eu mais quero
(2x)

Tudo o que eu mais quero (3x)

Deixa me tentar
Deixa me mostrar
que és tu o que eu vejo
E se tudo mudar
Eu posso te mostrar
Que és tudo o que eu vejo

Tudo o que eu mais quero (3x)

És tudo o que eu quero


Letra: Diogo Piçarra / Diana Lima

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Coro do Seminário Maior de Cristo-Rei dos Olivais lança o álbum em formato digital «Natal do Senhor»


Coro do Seminário Maior de Cristo-Rei dos Olivais lança o álbum em formato digital «Natal do Senhor» a 14 de Dezembro


O CD “Natal do Senhor” reúne 16 cânticos musicados pelo Padre Manuel Luís e interpretados pelo Coro do Seminário Maior de Cristo-Rei dos Olivais.

Nas palavras do Coro do Seminário: “Este CD deseja ser a expressão da forma como a Igreja na área do canto litúrgico celebra o mistério do nascimento do Senhor Jesus Cristo. Com ele somos convocados a contemplar o presépio e o mistério do Deus connosco, recostado numa manjedoura e adorado pelos homens e pelos anjos.”


“Natal do Senhor” disponível em formato digital a 14 de Dezembro.


“Oh! Noite Favorecida (Esta Noite é de Alegria)” é o single de apresentação.

Linda Martini - Óssa Menor


Letra

Deixa-me os dedos à solta
Enquanto o ócio me roi o tempo lento
Vais precisar de uma escolta
Para me abrires e mexeres lá por dentro

Fecho-me em copas e escondo
Cidades inteiras em sitio nenhum
Vê como caem sem estrondo
O fado que canto não é fado algum

Quero estar onde quero estar
Onde quero estar?
Onde quero estar?
Guarda-me um pouco desse sol

Abre-me ruas no peito
Hei-de escoar daqui para fora
Torrente de ar rarefeito
Que me sufoca se não for embora


Letra - André Henriques
Música - André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes

Rogério Charraz 4.0 no AUDITÓRIO MUNICIPAL RUY DE CARVALHO



30 NOV | AUDITÓRIO MUNICIPAL RUY DE CARVALHO | 21H30
 
Rogério Charraz 4.0 é uma celebração de 40 anos de vida. Uma viagem pelo passado, presente e futuro de um dos cantautores mais talentosos da sua geração.

Um olhar pelo passado que revisita 4 temas de cada um dos trabalhos discográficos anteriores.
A Chave; Espelho e Não tenhas medo do escuro – e um presente que traz quatro originais inéditos (dois deles reeditam a parceria com o letrista e jornalista José Fialho Gouveia) e que anunciam novos projetos que se avizinham.

Uma viagem que se iniciou em Lisboa, no Cinema São Jorge, no passado dia 27 de Janeiro e que contou com 4 convidados muito especiais: o fadista Ricardo Ribeiro, o pianista Júlio Resende, Jorge Benvinda, a voz dos Virgem Suta, e o cantador António Caixeiro.

Uma noite mágica, de emoções à flor da pele, que foi registada e que deu origem ao seu 4º álbum, editado no passado dia 19 de Outubro.

A apresentação do disco será feita no palco do Auditório Municipal Ruy de Carvalho, em Carnaxide, onde Rogério Charraz & Os Irrevogáveis revisitarão temas como “Porto de Abrigo”, “Põe de lado o GPS” ou “O Submarino Irrevogável”.
 

Rogério Charraz – Voz e Guitarra acústica
Paulo Loureiro: Pianos, Clarinete e Voz
Jaume Pradas: Bateria e Voz
Luis Pinto: Baixo e Voz
Carlos Lopes: Acordeão e Voz
João Rato: Guitarras e Voz

David Carreira - Gosto de ti ft. Sara C


Letra

Quando não estou bem
É a ti que eu acordo nem que seja pra falar
E nessas chamadas perdemos as horas
E já são três da manhã
É mais uma madrugada passada a contar o que estou a passar
E sei que em ti posso confiar

Mesmo estando longe estou aí
Só quero que a vida um dia te faça feliz
Tu nem sabes o que és pra mim
E eu nem sei como dizer o quanto eu gosto de ti
O quanto eu gosto de ti

Quando não estou bem
É a ti que eu acordo nem que seja pra falar
E nessas chamadas perdemos as horas
E já são três da manhã
É mais uma madrugada passada a contar o que estou a passar
Eu sei que em ti posso confiar

Mesmo estando longe estou aí
Só quero que a vida um dia te faça feliz
Tu nem sabes o que és pra mim
E eu nem sei como dizer o quanto eu gosto de ti
O quanto eu gosto de ti

Mesmo estando longe 
Eu vou estar sempre perto de ti
Mesmo estando longe 
Tu sabes que eu estou aqui

Mesmo estando longe estou aí
Só quero que a vida um dia te faça feliz
Tu nem sabes o que és pra mim
E eu nem sei como dizer o quanto eu gosto de ti
O quanto eu gosto de ti

Autoria: David Carreira e Nuno Ribeiro Composição: David Carreira, Nuno Ribeiro e Dany Synthé

CORO DE SANTO AMARO DE OEIRAS no CineTeatro D. João V




01/Dez (sáb), 16h00
Classificação: M/06 anos
CORO DE SANTO AMARO DE OEIRAS
Preço: 6,00€


Sob a direção das maestrinas Yara Gutkin e Maria Repas Gonçalves iremos ouvir "12 dias de Natal","Em Belém", "Wonderful Christmas Time" , "A todos um Bom Natal" entre muitos outros temas.

O Coro de Santo Amaro de Oeiras foi fundado a 5 de Outubro de 1960 pelo Maestro César Batalha.


Liliana Martins - “Bem-vindo”

Letra

Não encontrei a letra desta música


Letra: Cátia Oliveira
Música: Manuel Graça Pereira

Novo vídeo do Trio Pagú



Intitulado “Amor” , o novo álbum do Trio Pagú é pensado no amor em todas as formas, feitios, cores, raças ou coisas em que nos apegamos. 

No groove pulsa sempre a batida da bossa nova. 

Este trabalho de temas originais conta com as participações especiais dos músicos , Edú Miranda (Brasil), Mirri Lobo (Cabo Verde), e os portugueses Nico Guedes, Juan Pestana e Firmino Neiva.


ANJOS - ETERNO



Letra


AS CARTAS QUE EU UM DIA TE ESCREVI FOI PRA TE CONTAR, TUDO O QUE SOU NA ESCOLA EM QUE EU TE CONHECI UM BEIJO TEU, TUDO MUDOU REF: QUANDO PARO E PRECISO TU ESTÁS, AQUI QUERO CRESCER, ASSIM NÃO QUERO ESCREVER O FIM DESTA CANÇÃO CORRO O MUNDO E PERCEBO QUE O MEU, JARDIM TEM FLORES QUE EU SEMPRE QUIS A LUZ QUE AS FAZ CRESCER, É O NOSSO AMOR QUE É ETERNO E PRA SEMPRE SERÁ ... EU SEI QUE O TEMPO NUNCA PAROU DE MOSTRAR OS SINAIS, VINDOS DE TI E AO MESMO TEMPO, ELE ME ENVIOU UM ANJO REAL, PRA CUIDAR DE MIM REF: QUANDO PARO E PRECISO TU ESTÁS, AQUI QUERO CRESCER, ASSIM NÃO QUERO ESCREVER O FIM DESTA CANÇÃO CORRO O MUNDO E PERCEBO QUE O MEU, JARDIM TEM FLORES QUE EU SEMPRE QUIS A LUZ QUE AS FAZ CRESCER, É O NOSSO AMOR QUANDO PARO E PRECISO TU ESTÁS, AQUI QUERO CRESCER, ASSIM NÃO QUERO ESCREVER O FIM DESTA CANÇÃO QUE É ETERNA E PRA SEMPRE SERÁ ... QUANDO PRECISARES EU VOU ESTAR SEMPRE, AQUI VI-TE CRESCER, ASSIM NUNCA VAI, TER FIM, A NOSSA CANÇÃO É ETERNA E PRA SEMPRE SERÁ LETRA E MÚSICA - SÉRGIO ROSADO

terça-feira, 27 de novembro de 2018

Liliana Martins apresenta apresenta "Bem-vindo"



"Bem-vindo" é o 2º single extraído do meu último disco "Meu Tempo"


Com letra de Cátia Oliveira, música de Manuel Graça Pereira e arranjos de Valter Rolo, este é um tema de fado contemporâneo, bem balanceado e que conta uma história dos nossos tempos. Espero que gostem...

Com os melhores cumprimentos, Liliana Martins


Érica Boaventura - "Para Sempre"


Letra

Não encontrei a letra ou os créditos desta música

ACERT - Concerto Vi(R)ver sem ver


Vi(R)ver sem ver


No Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, a ABAADV - Escola de Cães-guia para Cegos de Mortágua promove uma cerimónia (Gala ABAADV) para a qual é preparado um concerto onde são reproduzidas músicas escritas ou cantadas ao longo dos tempos por pessoas cegas, em que o público é convidado a ouvir, sem ver.

A Escola de Mulheres - Oficina de Teatro leva ao palco do Novo Ciclo ACERT um espetáculo de dança e teatro sobre o amor e os modos como nos entregamos ou deixamos enganar por ele.

O rock’n’roll continua bem vivo e os Baleia Baleia Baleia prometem confirmar-lhe a vitalidade e a constante reinvenção.



Concerto
1 dez. Sáb, 21:45 · Auditório 1

Quando ficamos sem um sentido, os outros tornam-se mais sensíveis” e assim, de olhos vendados, o público sentirá, apreciará e imaginará a música de outra maneira.

VALADA - Terapia


Letra

Não encontrei a letra ou os créditos desta música

Casa da Cultura de Setúbal - Duplicidade



CASA DA CULTURA | SETÚBAL | DESTAQUE DESTA SEMANA | DUPLICIDADE



Casa da Cultura de Setúbal
( +351 265 236 168



Diogo Piçarra - Mágico



Letra


Mágico o que a vida nos trouxe é tão mágico
Juntou o que foi feito para ser mágico
E se acabar eu direi que foi mágico, mágico
Quem te deixou assim
Nunca soube sentir
O que há dentro de ti é mais que o universo
Se as estrelas podem dar
Porque é mágico o que a vida nos trouxe é tão mágico
Juntou o que foi feito para ser mágico
E se acabar eu direi que foi mágico, mágico

Hoje encontrei-te aqui, também eu me perdi
Mas sei que juntos assim
Não há trevas que me impeçam
De te fazer brilhar
Porque é mágico o que a vida nos trouxe é tão mágico
Juntou o que foi feito para ser mágico
E se acabar eu direi que foi mágico, mágico
Porque é mágico o que a vida nos trouxe é tão mágico
Juntou o que foi feito para ser mágico
E se acabar eu direi que foi mágico, mágico


Letra e Música: Diogo Piçarra

Fábia Rebordão em Tour na Holanda




Unanimemente considerada como uma das vozes de referência do fado novo, Fábia Rebordão foi distinguida pela fundação Amália com o prémio Revelação Amália Rodrigues, e o conceituado Jornal Expresso considerou-a como uma das 50 personalidades revelação do ano.

Em Dezembro, de 4 a 9, Fábia Rebordão tem uma semana de concertos na Holanda, nas cidades de Eindhoven, Groningen, Utrecht, Roterdão e Tilburg. A cantora encontra-se, neste momento, a finalizar o seu novo álbum, e está prestes a lançar o novíssimo single “Por Ser Assim”, produzido por Jorge Fernando, Hugo Novo e New Max (Expensive Soul).

Agenda:
4 Dez – Eindhoven, Holanda
5 Dez – Groningen, Holanda
6 Dez – Utrecht, Holanda
8 Dez – Roterdão, Holanda
9 Dez – Tilburg, Holanda

Mastiksoul "Estraga" Feat Los Manitos, D8 (Team Strada)


letra

D8:
Sabia que estava errado e até quis jogar
Eu entrei na brincadeira das trocas de olhar
A minha vida mudou quando ela quis brincar 
Mas eu também já a vi bazar 
Sei que provocas com esse teu sorriso 
E sabes que eu concretizo 
Manda me esse teu olhar em tom de aviso
Esse teu cabelo liso 
Sabes deixa me indeciso
Vai descendo que é tudo que eu preciso 

Kiari : 
Foi por ti amor 
Que eu me apaixonei 
E pelo teu sabor 
Eu maluco fiquei 

D8:
Eu maluco fiquei 
Não vou dizer que não 
Desce e senta não vais parar 
Vens comigo tu vais dançar 
Vai 
Senta essa bunda 
Senta essa bunda 
Senta que eu vou estragar 
(2x)

Kiari: 
Bum Bum Bum Bum 
Bum Bum Bum Bum 
Ela mexe esse bum bum 
(4x)

Fabio : 
Essa menina me maltrata 
Com o jeito que ela se trata
É sexy só na hora exata 
Por isso sem ti não sou nada
Ela até gosta e me provoca 
Me atiça só com aquela boca 
Seu beijo bom que me sufoca 
Meu deus essa dama é maluca 

Kiari: 
Foi por ti amor 
Que eu me apaixonei 
E pelo teu sabor 
Eu maluco fiquei 

D8:
Eu maluco fiquei 
Não vou dizer que não 
Desce e senta não vais parar 
Vens comigo tu vais dançar 
Vai 
Senta essa bunda 
Senta essa bunda 
Senta que eu vou estragar 
(2x)

Kiari: 
Bum Bum Bum Bum 
Bum Bum Bum Bum 
Ela mexe esse bum bum 
(4x)

D8:
Eu maluco fiquei 
Não vou dizer que não 
Desce e senta não vais parar 
Vens comigo tu vais dançar 
Vai 
Senta essa bunda 
Senta essa bunda 
Senta que eu vou estragar 
(2x)

Kiari: 
Bum Bum Bum Bum 
Bum Bum Bum Bum 
Ela mexe esse bum bum 
(4x)

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

"do Natal aos Reis" em digressão nacional



É já no dia 7 de Dezembro que o espectáculo “do Natal aos Reis”, nova proposta artística da Sons Vadios que une Galiza e Portugal, começa a sua digressão nacional, levando canções tradicionais de Natal e de Reis a diversos pontos do país.

Um concerto temático que assenta na recolha e valorização dos cancioneiros tradicionais da época natalícia de ambas as margens do Minho, Galiza e Portugal, evidenciando a partilha de uma cultura imaterial comum. Em palco apresentam-se os portugueses Catarina Moura (voz, percussões), César Prata (guitarra, tounguedrum, dulcimer, adufe, voz) e o galego Ariel Ninas (sanfona, sinos, adufe, voz, harmónica).

Em Dezembro, a digressão nacional “do Natal aos Reis” passará por Lisboa, Auditório Carlos Paredes, em Benfica (7); Guarda, Igreja de S. Vicente (8); Monchique, Largo dos Chorões (16) e Tavira, Igreja das Ondas (20). Já em 2019, em tempo de Janeiras e de Reis, o espectáculo apresenta-se em Aveiro, Igreja das Carmelitas (5) e em Castelo Branco, Museu Francisco Tavares Proença Júnior (6).

Toda a agenda pode ser consultada no sítio oficial da Sons Vadios em www.sonsvadios.pt.

VALADA - Sete Colinas



Letra

Não encontrei a letra desta música

Musica e letra: Miguel S. Almeida

Apresentação de Valada


Uma breve história, prestes a ficar maior



Juntos desde 2014, ainda com outro nome, renovaram a imagem conjugada com novos temas originais.

Da banda de covers instiparada no rock clássico, calhada em temas de Beatles, Rolling Stones e Rui Veloso, entre outros, passaram a VALADA, como projecto de originais (lançado em Maio de 2018), ainda com a mesma vontade de trazer os bons velhos tempos do pop/rock de volta.

Nos anos iniciais, os bares e as festas privadas eram o seu dia-a-dia, tendo vindo a crescer posteriormente para palcos de eventos públicos de maior dimensão. A primeira tour dos VALADA, passou pelo pelo Casino Estoril, Leiria, Foz do Arelho, Algarve e, como não podia deixar de ser, pelo o Ribatejo, de onde a banda é natural. 



A sua música



Temas maioritariamente compostos pelo baterista António Palha, gravados até agora no EstúdioZeco, banda apadrinhada pelo conceituado artista, compositor e produtor, João Só. Fato e gravata é por enquanto a indumentária obrigatória em concertos, como sempre foi em todo lado desde que a banda se juntou.



Sete Colinas - O primeiro single de muitos


Em Maio o conjunto lançou-se com este primeiro tema, Sete Colinas, onde reina a simplicidade da sonoridade Rock clássico, algo que a banda tenta trazer de volta a Portugal.



Terapia - o single mais Funky


Tema que aborda uma sonoridade mais dancante e adepta do Funk e R&B. Sempre inspirado nos artistas que tiveram tanto peso no estilo.
Clique em baixo para ouvir.

Como são os VALADA ao vivo:


Tiago Nacarato, Salvador Sobral, Tony Cassanelli - Tempo



letra

Não encontrei a letra desta música


Letra e música - Tiago Nacarato
Interpretação - Salvador Sobral e Tiago Nacarato

Concerto Best Youth no Bang Venue

Best Youth apresenta-se ao vivo no Bang Venue com um formato muito intimista para apenas 150 lugares sentados.
Demo Tapes, concerto intimista, por salas mais intimistas, onde os Best Youth tocam alguns dos seus temas, contam as histórias que os originaram e outras das suas vidas.
O concerto é dia 30 de novembro com Best Youth

Bang Venue

Praça Dr. Alberto Manuel Avelino nº1 
Torres Vedras, 
Lisboa 2560-284 

Dino D'Santiago - Nova Lisboa


letra

"Nova Lisboa"

Qual é ideia?
Não ouves a tua cidade a chamar por ti? Entra na zona Não digas que tens de sair para acontecer 
Eu já não vou nem tentar, ei Se a cidade quer, deixa andar Eu já não vou nem tentar, eei Mesmo sem saber, deixa tarraxar 
Vem, sente, sente, sente esta nova Lisboa Sente, sente, sente esta nova Lisboa Vem, sente, sente, sente esta quente Lisboa Sente, sente, sente esta nova Lisboa 
Qual é ideia? Qual é ideia? Mas qual é ideia? Qual é ideia? 
De onde veio toda essa gente, eu não sei Dizem que tamos na moda, ma n ka krê sabê Ali sta tudu dretu, ma não tou nessa De vender a sodadi ou a morabeza 
Eu já não vou nem tentar, ei Se o batuku vai, deixa andar Eu já não vou nem tentar, eei Mesmo sem saber, deixa tarraxar 
Vem, sente, sente, sente esta nova Lisboa Sente, sente, sente esta nova Lisboa Vem, sente, sente, sente esta quente Lisboa Sente, sente, sente esta nova Lisboa 
Qual é ideia? Qual é ideia? Mas qual é ideia? Qual é ideia? 
Qual é ideia?  

Song Credits: Music composed by Dino d' Santiago, Kalaf Epalanga, Branko, PEDRO. Music Produced by Branko & PEDRO. Mixed by Toni Economides Mastered by Neil Pickles

domingo, 25 de novembro de 2018

Haja Loucura - Rodrigo Serrão * Chapman Stick


Letra

Letra: Rodrigo Serrão 

Fado: Balada António dos Santos


É preciso ter loucura,
Ser maior, ir à aventura,
Não deixar nada a dizer,
A não ser: “tenho saudade,
De te amar ao fim da tarde,
E assim ter tudo p’ra viver.”

Se hoje conto esta memória,
É p’ra ensinar a nossa história,
A quem não quiser sofrer,
Que um amor p’rá vida inteira,
Dói assim, desta maneira,
E não há nada a fazer.

Somos pedras que o destino,
Quis juntar pelo caminho,
P’ra depois nos ver perder,
Cada qual para o seu lado,
Cada um sendo o passado,
Um do outro a escurecer.

Mas se um dia ao fim da tarde,
Alguém disser: “tenho saudade”,
Eu abro os braços a correr,
Dou-lhe a mão, não digo nada,
Que é melhor ter por morada,
Um fim de tarde p’ra viver.

Haja Loucura é o novo Video de Rodrigo Serrão



"Aqui está o novo vídeo, Haja Loucura.

O poema fala por si, é o relato de um final de tarde, de vários finais de tarde, de encontros e desencontros e daquilo a que não sabemos ou podemos resistir.

A música veio do Fado Tradicional, é a lindíssima "Balada António dos Santos".

Deste casamento fica a história agora contada. É o meu presente para todos.




O INSTRUMENTO

Imagine o potencial de um Piano, uma Guitarra, um Contrabaixo e uma Harpa todos combinados num único instrumento: é isto o Chapman Stick ®

Com a sua implantação mundial nos últimos anos, este instrumento visionado por Emmet Chapman em 1969 é, em termos histórico-musicais, o grande herdeiro de uma tradição cujos mais recentes casos de sucesso remontam a Adolphe Sax com a invenção do saxofone (séc XIX) e a Bartolomeo Cristofori, inventor do Piano (séc XVIII).

A particularidade comum a todos estes casos foi a criação de um instrumento novo, de tal versatilidade que a sua utilização se generalizou, ultrapassando barreiras e linguagens musicais. É, hoje em dia, utilizado em todo o mundo e em todos os géneros musicais.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

AMAURA - Blues do Tinto


Letra


Mas quem é que está sozinho?
quando tem um copo de vinho
vermelho,encorpado e do douro
resolução para a saudade é ouro...
chega o segundo que me dá o toque
Mas só resulta no primeiro copo vem o terceiro leva-me a reboque
E eu já nem ando bem, mas ao menos não ando até ti
dói me a cabeça mas não penso em ti e eu já não ouço bem mas ao menos nao ouço de ti...
ai eu sou tinta negra e o vinho a mim deixa-me extinta
ai o meu vinho é tinto ai a minha dor é tinta ref e então eu bebo mais ,sei que não devia beber
serve me mais um copo e afoga-me a memoria
mas enquanto o tinto cai a ti eu já não sei ter e eu sei bem que faz mal (tão mal) mas enquanto o tinto vem tu ja não és o tal...
aiiiiiiii isto e blues do tinto ( isto e o blues do tinto )
enquanto o tinto desce .de nos nao reza a historia serve o meu copo balao ,embriaga me o coracao serve o meu copo balao (ao ao ao) ai ai isto o blues do tinto
entao eu bebo mais sei que nao devia beber
quando eu bebo eu nao sinto quando eu bebo eu so sinto! quando eu bebo eu nao sinto quando eu bebo eu so sinto ! quando eu bebo eu nao sinto isto e o blues do tinto ref
embriaga o coracao
mas enquanto o tinto cai a ti eu ja nao sei ter e eu sei bem que faz mal (tao mal) mas enquanto o tinto vem tu ja nao es o tal...
serve o copo balao ...ser ser serveeee



Letra: AMAURA
Mistura e masterização: Pedro Quaresma
Artwork: Chikolaev

UHF - a tripla edição da obra perdida directamente no Top de vendas



UHF - a tripla edição da obra perdida directamente no Top de vendas


Inédito é o termo para um artista nacional ter 3 discos em simultâneo no TOP em semana de lançamento das ‘gravações perdidas’ !
"Persona non Grata" em 24º, em 27º "Ares e Bares de Fronteira" e em 28º "Ao Vivo em Almada (no jogo da noite)".

1982 – Há 36 anos, os UHF tiveram direito ao seu PREC, um Verão quente de guerrilhas, quando impuseram uma rescisão contratual à editora Valentim de Carvalho (sede na rua Nova do Almada) e seguiram para a Rádio Triunfo (sede na rua do Carmo). PERSONA NON GRATA – Era o título do disco de chegada à editora que em Portugal distribuía os selos Atlantic, CBS ou Elektra. Três canções reflectiam o divórcio que a Valentim tentou evitar: Persona Non Grata, canção-título, Um Mau Rapaz, o primeiro single, e Quebra-me reflectiam a pressão a que o líder do grupo, António Manuel Ribeiro, esteve sujeito durante a desvinculação. Nascia a legenda (duro como rock? mau feitio?), l’enfant terrible que tinha sempre mais uma pergunta para colocar. Quando algumas portas mediáticas começaram a fechar-se, os UHF perceberam que estar na Valentim de Carvalho constituía uma pesada diferença.
1985 – Decorridos três anos, o grupo recusou renovar o contrato com a Rádio Triunfo, entretanto associada ao selo Orfeu (o mesmo de José Afonso, Adriano Correia de Oliveira, Vitorino, Fausto, José Jorge Letria…). Para trás deixavam os LPs Persona Non Grata (1982) e Ares e Bares de Fronteira (1983), além do icónico primeiro disco ao vivo do rock lusitano, Ao Vivo em Almada (no jogo da noite) (1985). Ainda o single Puseste o Diabo em Mim (1984).

Alguns meses mais tarde, mergulhada em problemas, a Rádio Triunfo/Orfeu desaparecia do cenário com o seu vasto catálogo nacional, que a obra (ausente) do José Afonso reaviva em debates sazonais. Outros símbolos surgiram (a Movieplay foi um deles), mas, legal e oficialmente, se houve transacções, os UHF nada souberam. Cartas foram escritas ao longo destas três décadas, sem resposta.

2018 – «Quando há 20 anos fundei a nossa editora, era minha primeira intenção libertar as gravações que morreram quando a Rádio Triunfo/Orfeu desapareceu e o vinil foi substituído pelo CD. Sem sucesso. A falta de uma estratégia comercial deixou-me perplexo. Tentei tudo para colocar as obras no mercado, e tudo foi negado sem uma alternativa: foi a gestão do prejuízo artístico e comercial inequívoco. Até que deixámos de saber notícias sobre os putativos detentores das obras gravadas.
Basta!, são os 40 anos dos UHF. Ninguém me pode impedir de trabalhar, e, enquanto autor e artista, fui muito prejudicado. Assim como o público que desesperou por estas edições, agora editadas em simultâneo. É uma prova de força e de organização dos UHF, provavelmente única em Portugal. Pioneiros? Provavelmente.

Estou preparado para ouvir quem se apresentar como detentor do contrato que um dia assinei com a editora Rádio Triunfo/Orfeu. Os direitos desta tripla edição estão reservados, legalismo inscrito nas capas dos discos.

«Quando no dia 3/11, às 20h00, na FNAC de Almada, os discos foram colocados à venda, havia gente adulta com lágrimas nos olhos».

Se esta foi a primeira e simbólica acção para celebrar quatro décadas dos UHF, a 22/12, em Lisboa (Aula Magna), e 29/12, no Porto (Casa da Música), a festa vai continuar ao vivo.“40 ANOS NUMA NOITE”.

As celebrações contam com as participações de Frankie Chavez, The Legendary Tigerman e o membro fundador Renato Gomes. O espectáculo de Lisboa contará com a participação de Ana Bacalhau e João Pedro Pais no Porto.

HAROLD - ETERNA


Letra

Desde os tempos em que a nossa cama era o chão 
E dividia contigo o mesmo colchão 
A gritaria que ouvias sem tem razão 
Se hoje eu quero o mundo inteiro é a tua garra que eu tenho então 
Mãe eu quis te dar o mundo só te dei uma rosa 
E vou ser o teu escudo mesmo quando idosa 
Sempre vou ouvir tudo sei quanto és teimosa 
Acredita cada ruga faz te mais charmosa 
Eu sei cometo erros não consigo vê-los 
Às vezes não dou paz e tas pelos cabelos 
Eu posso ser melhor mãe eu tento sê-lo 
Humildade ta no sangue nunca vou perdê-lo 

Eu sei que sempre fui o motivo é acredita a tua força faz te bela 
A tua vida sei que dava um bom livro 
E se fizesses passaria a best seller 
Todos sabem mas 

Refrão: 
Sorry mama quis dar te outra vida 
E com menos drama 
Sorry mama celebra comigo que o teu filho te ama 
Deus devia ter te feito eterna mama 
Desculpa se a vida não é o que mereces mama 
Desculpa a má vida e todo stress 
Mas tu és minha a rainha só queria que tu soubesses mama 

Prometi tanta coisa e às vezes não cumpro 
Tento ser a melhor pessoas às vezes me culpo 
Desculpa eu sou criança com ar de um adulto 
A perder tempo no meu sonho devia ser no estudo 
E é tudo que tu dizes 
Hoje estamos bem melhor ficaram algumas cicatrizes 
Enquanto tiveres viva Sabes seremos felizes 
E ninguém pode julgar só no céu é que há os juízes 
Queria que fosses eterna como músicas são 
E menos tempo no Trabalho que é só exploração 
És o meu pai e mãe sem haver divisão 
Quem julga nunca vai ter noção da complicação 
Talvez nunca vais entender , como a música me deixa viver 
Talvez um dia vou te perder , mas antes disso só te quero dizer 

Refrão : Sorry mama quis dar te outra vida 
E com menos drama 
Sorry mama celebra comigo que o teu filho te ama 
Deus devia ter te feito eterna mama 
Desculpa se a vida não é o que mereces mama 
Desculpa a má vida e todo stress 
Mas tu és minha a rainha só queria que tu soubesses mama 

Pra toda mãe solteira eu só quero ouvir a cantar 

Talvez nunca vou ver o que fazes por mim 
Antes de te perder que saibas que me tens até ao fim 2x

Letra e Interpretação: Harold

"Fado Vida" é o novo sangue de Cláudia Leal


"Fado Vida" é o novo sangue de Cláudia Leal - 23 de Novembro


A fadista Cláudia Leal está de regresso com “Fado Vida”, um fado onde volta a desempenhar os papéis de intérprete, compositora, autora e instrumentista do mesmo, sem nunca perder a verdadeira essência de tradição. O lançamento está marcado para o dia 23 de Novembro.


Badoxa - "Maluco"


Letra

Ela pensa que eu tenho vergonha dela
E não vê que eu já estou bem on fire
E quando ela se aproximou de mim
só pensei vá lá doxa não maya

pois ela me falou
o twerk dela me calou

Ela não sabe mas eu estou no flow
desse show dess corpo que me agitou
e eu disse

Estou a ficar maluco
Estou a ficar maluco
estou a ficar maluco
(2x)

Do jeito que ela mexe rebola
O badoxa aqui já não controla
Essa dama vai dar cabo de mim
Rata ta ta ta

Descontrola
Tequila, Whisky Cola
Quando ela cola não descola
Tão cedo não vou sair daqui

Dama mais maluca que eu já vi

Estou a ficar maluco
Estou a ficar maluco
estou a ficar maluco

É Karga Music

Estou a ficar maluco
Estou a ficar maluco
estou a ficar maluco

O badoxa aqui já não controla
Essa dama vai dar cabo de mim
Rata ta ta ta

Descontrola
Tequila, Whisky Cola
Quando ela cola não descola
Tão cedo não vou sair daqui

Dama mais maluca que eu já vi

Estou a ficar maluco
Estou a ficar maluco
estou a ficar maluco
Ai que calor
(3x)

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Casa da Cultura de Setúbal - CONCERTO com JOÃO DA ILHA


23 NOVEMBRO | SEXTA-FEIRA | 22H00
SALA JOSÉ AFONSO
CONCERTO
JOÃO DA ILHA


“Mares da Indecisão” é o novo álbum do músico autor e compositor açoriano João da Ilha, que neste trabalho despoja-se de todas as amarras e reporta-nos para uma insularidade surpreendente em que a condição de ilhéu é um verdadeiro privilégio.

Simplicidade e clareza são apenas dois dos muitos conceitos que podemos ouvir em cada uma das interpretações deste novo trabalho discográfico que está agora disponível em todas as plataformas digitais e com edição física marcada para o mês de Novembro. Um projecto em estúdio que se junta a “Pulsação” EP (2009), “Amanhecer” (2011) e “Som das Esferas” (2015), e que tem na assinatura de produção o nome de Vasco Ribeiro Casais, músico e produtor responsável por projectos como Omiri, Seiva e Dazkarieh.

João da Ilha: voz e guitarras
Filipe José Silva: trompete, bandolim, coros
André Mendes: teclados
Sandro Maduro: baixo elétrico
Manu Teixeira: bateria, percussões

Sonho Alto' by Daxuva & Nina Miranda


Letra

Não encontrei a letra desta música

Pedro Ferraz Musica, Nina Miranda letra percussão e vocal

Daxuva & Nina Miranda - Concerto de apresentação do álbum "Le Jardin" no Porto


Daxuva & Nina Miranda
Concerto de apresentação do álbum "Le Jardin" no Porto 
(data única)


No dia 21 de dezembro, Daxuva & Nina Miranda apresentam o álbum "Le Jardin" pela primeira vez ao vivo com vários convidados musicais numa data única no Porto. A noite prossegue com o eclético dj set de SPOT, que engloba sonoridades hip hop, funk, soul e disco. O concerto é de entrada livre e os horários podem ser consultados na página do evento.

"Le Jardin" está disponível desde 31 de agosto de 2018 em http://smarturl.it/wzec7o

Para parceira deste seu primeiro trabalho "Le Jardin", Daxuva aliou-se a Nina Miranda. Cantora dos Smoke City, grupo de fusão trip-hop com elementos de música brasileira que nos ofereceu Underwater Love” para guardarmos dentro de nós durante toda uma vida. E que desde então nos brinda com excelentes músicas de projetos como Shrift ou ZEEP e em colaborações com artistas como: Nação Zumbi, Bebel Gilberto, Antonio Chainho, Adriana Calcanhotto, Daniel Jobim, Moreno Veloso, Gilles Peterson, Seu Jorge, Basement Jaxx, entre outros. Este encontro acidental (isso existe?), mostrou uma paixão siamesa de ver e sentir música. Desde então, trocaram muitas ideias, letras, palavras e melodias. Nina emprestou o seu samba britânico às músicas. Adicionando doçura, magia e sonhos aos instrumentos de Daxuva.